quarta-feira, 26 de setembro de 2007

Tenho quatro... hm... cinco amigos.As duas que são do sexo feminino, conheço a anos. A Leli ficamos amigas mesmo em 2005, creio eu. A Charlene, bom a coisa é mais longa. Tivemos anos de amizade, depois brigamos e agora eu realmente tive que me conformar de que ela é minha amiga mesmo auiehuaheuiaheui...
Outro amigo que tenho é o Luciano, que apesar de sermos muuuuuuuito diferentes, ele me deu força em muitos problemas que enfrentei e está sempre disposto a me dar conselhos e eu a oferecer meu ombro amigo.
Tem também o Raphael, que é um cupido muito paciente e que conquistou minha amizade ouvindo atentamento (ou assim parecia) minhas lamúrias.
Aí vem o Bruno que... bem, não sei se é bem um amigo, ou se é só um amigo, mas temos muitas coisas em comum e espero que nada estrague nosso humor e amizade.
Tive outros amigos. Pessoas que dediquei minha total confiança, até mais do que devia, mas "o tempo passa e nem tudo fica, a obra inteira de uma vida". A vida anda e vemos que aquilo não nos satisfaz, nunca saciou nosso desejo de ser dignos de confiança. Esse foi o grande problema e minha grande lucidez de ver que eu não era pra essas pessoas tudo o que elas eram pra mim. Ou pelo menos era isso que eu sentia.




Amizade é uma coisinha muito complicada, mas extremamente compensadora, mesmo quando descobrimos que não era tudo aquilo que imaginávamos. Enquanto dedicamos esse sentimento à pessoa, nos sentimos mais completos, mais protegidos. E não me arrependo de ter dedicado minha amizade à pessoas que hoje não são mais do meu "círculo" e que eu veja hoje que nunca tiveram tanta, ou tão completa, amizade por mim. Enquanto eu me sentia bem sentindo isso por elas, eu fui muito feliz.
Fazer amigos é uma tarefa que exige muita reflexão. Às vezes percebemos que estamos sentindo amizade por pessoas completamente diferentes de nós, que não frequentam os mesmo lugares que nós, que não gostam das mesmas coisas que nós, sendo que a princípio, acreditamos que amigos são aqueles em que temos afinidades. Não é bem assim. Claro, que isso contribui muito pra uma amizade e convivência mais completa, mas não é o essencial.

Ah, claro, esqueci de citar as pessoas que nunca vimos na vida, e amamos elas, como o William.

Amizade é confiar seus peensamentos ao outro, precisar do outro, sentir-se importante para o outro. É um sentimento tão complexo, que é impossível descrever em palavras o que está em nossos corações.

quinta-feira, 13 de setembro de 2007

Eu estava deixando pra postar no blog depois que tivesse certeza de que eu não tinha um tumor no cérebro. Tive algumas "idéias" de "texto" durante esse tempo, mas estava me privando da vida virtual.
Bom, não tenho um tumor no cérebro \O/\O/\O/
Mas também não tenho criatividade pra escrever um texto! auiehuheuiahueaie...

Adios!