segunda-feira, 31 de julho de 2006

Bem feito.

Resolvi não mandar esse e-mail pras pessoas, então só que visita meu blog terá o prazer de dar boas risadas por hoje.

AOS CAGÕES DE PLANTÃO...
Um dia de merda...
de Luiz Fernando Veríssimo

Aeroporto Santos Dumont, 15:30. Senti um pequeno mal estar, causado por uma cólica intestinal, mas nada que uma urinada ou uma barrigada não aliviasse.

Mas, atrasado para chegar ao ônibus que me levaria para o Galeão, de onde partiria o vôo para Miami, resolvi segurar as pontas.
Afinal de contas são só uns 15 minutos de busão. "Chegando lá, tenho tempo de sobra para dar aquela mijadinha esperta, tranqüilo."
O avião só sairia as 16:30. Entrando no ônibus, sem sanitários. Senti a primeira contração e tomei consciência de que minha gravidez fecal chegara ao nono mês e que faria um parto de cócoras assim que entrasse no banheiro do aeroporto.
Virei para o meu amigo que me acompanhava e, sutil, falei: "Cara, mal posso esperar para chegar na merda do aeroporto Porque preciso largar um barro." Nesse momento, senti um urubu beliscando minha cueca, mas botei aforça de vontade para trabalhar e segurei a onda. O ônibus nem tinha começado a andar quando, para meu desespero, uma voz disse pelo Alto falante:
"Senhoras e senhores, nossa viagem entre os dois aeroportos >Levara em torno de 1 hora, devido a obras na pista."
Aí o urubu ficou maluco querendo sair a qualquer custo. Fiz Um esforço herculeo para segurar o trem merda que estava para chegar na estação ânus a qualquer momento. Suava em bicas. Meu amigo percebeu, como bom amigo que era, aproveitou para tirar um sarro. O alivio Provisório veio em forma de bolhas estomacais, indicando que pelo menos por Enquanto as coisas tinham se acomodado. Tentava me distrair vendo TV mas só >Conseguia pensar em um banheiro, não com uma privada, mas com um vaso Sanitário tão branco e tão limpo que alguém poderia botar seu almoço nele. E o Papel higiênico então: branco e macio, com textura e perfume e, ops, senti um volume almofadado entre meu traseiro e o assento do ônibus e percebi, consternado, que havia cagado. Um cocô sólido e comprido daqueles que dão orgulho de pai ao seu autor. Daqueles que dá vontade de ligar pros amigos e parentes e convidá-los a apreciar na privada. Tão perfeita obra, dava prá expor em uma bienal. Mas sem duvida, a situação tava tensa.
Olhei para o meu amigo, procurando um pouco de solidariedade, e confessei sério: "Cara, caguei."
Quando meu amigo parou de rir, uns cinco minutos depois, aconselhou-me a relaxar, pois agora estava tudo sob controle. Que se dane, me limpo no aeroporto." - pensei. "Pior que Isso não fico." Mal o ônibus entrou em movimento, a cólica recomeçou forte. Arregalei os olhos, segurei-me na cadeira mas não pude evitar, e semmuita cerimônia ou anunciação, veio a segunda leva de merda. Desta vez, como uma pasta morna. Foi merda para tudo que é lado, borrando, esquentando e melando a bunda, cueca, barra da camisa, pernas, panturrilha, calcas, meias e pés. E mais uma cólica anunciando mais merda, agora liquida, das que queimam o fiofó do freguês ao sair rumo a liberdade. E depois um peido Tipo bufa, que eu nem tentei segurar, afinal de contas o que era um peidinhopara quem já estava todo cagado. Já o peido seguinte, foi do tipo que pesa. E me caguei pela quarta vez. Lembrei de um amigo que certa vez estava Com tanta caganeira que resolveu botar modess na cueca, mas colocou as linhas adesivas viradas para cima e quando foi tirá-lo levou metade dos pêlos do rabo junto. Mas era tarde demais para tal artifício absorvente. Tinha menstruado tanta merda que nem uma bomba de cisterna poderia me ajudar a limpar a sujeirada. Finalmente cheguei ao aeroporto e saindo apressado com passos curtinhos, supliquei ao meu amigo que apanhasse minha mala no Bagageiro do ônibus e a levasse ao sanitário do aeroporto para que eu pudesse trocar de oupas. Corri ao banheiro e entrando de boxe em boxe, constatei a falta de papel higiênico em todos os cinco. Olhei para cima e blasfemei: "Agora chega, Né?" Entrei no último, sem papel mesmo, e tirei a roupa toda para analisar minha situação (que concluí como sendo o fundo do poço) e esperar pela minha salvação, com roupas limpinhas e cheirosinhas e com ela uma lufada de dignidade no meu dia. Meu amigo entrou no banheiro com pressa, tinhafeito o "check-in" e ia correndo tentar segurar o vôo. Jogou Por cima do boxe o cartão de embarque e uma maleta de mão e saiu antes de qualquer protesto de minha parte. Ele tinha despachado a mala com roupas. Na mala de mão só tinha um pulôver de gola "V". A temperatura em Miami era de aproximadamente 35 graus. Desesperado comecei a analisar quais minhas roupas seriam, de algum modo, aproveitáveis. Minha cueca, jogueino lixo.
A camisa era história. As calças estavam deploráveis e assim como minhas meias, mudaram de cor tingidas pela merda. Meus sapatos estavam nota 3, numa escala de 1 a 10. Teria que improvisar. A invenção é mãe danecessidade, então transformei uma simples privada em uma magnífica máquina de lavar. Virei a calça do lado avesso, segurei-a pela barra, e mergulhei a parte atingida na água. Comecei a dar descarga até que o grosso da Merda se desprendeu. Estava pronto para embarcar. Sai do banheiro e atravessei o aeroporto em direção ao portão de embarque trajando sapatos sem meias, as calças do lado avesso e molhadas da cintura ao joelho (não Exatamente limpas) e o pulôver gola "V", sem camisa. Mas caminhava com a dignidade de um lorde. Embarquei no avião, onde todos os passageiros estavam esperando o "RAPAZ QUE ESTAVA NO BANHEIRO" e atravessei todo o corredor até o meu assento, ao lado do meu amigo que sorria. A aeromoça aproximou-se e perguntou se precisava de algo. Eu cheguei a pensar em pedir 120 perfumadas para disfarçar o cheiro de fossa transbordante e uma Gilete para cortar os pulsos, mas decidi não pedir: "Nada, obrigado. Eu só queria esquecer este dia de merda!"

sábado, 29 de julho de 2006

Fim

Tô com sono, são só 2h da manhã! Alguém se importa?? Ahh, alguém me segura que eu tô caindo na depressão de novo...
Tô com dor de garganta, frio, espinhas, calos, prisão de ventre (ahh normal), fome (dor de garganta dá fome), solitária...
Ah, eu preciso de alguma coisa. I need to something to believe in. Não, dessa vez não tô mal por causa do futuro trágico que me espera... acho que preciso de aventuras, sair desse mundinho chato e na mesmice em que eu caí. Só não encontro um jeito.
Quero amar subitamente, odiar mortalmente. Eu quero ter sentimentos verdadeiros e não a vidinha de "guria de cara com o mundo" ou "apenas uma otária que quer ser punk". Eu não quero ser ninguém importante, apenas quero fazer a importância pra mim mesma. Quero gostar realmente de ser quem sou, quero amigos, muitos amigos que digam que eu sou importante pra eles, quero libertar minha mente desses pensamentos que são bons, mas que não consigo engrandecê-los de maneira que me façam estar bem.
Vou dormir e parar de pensar. Pensar sempre foi o grande problema da humanindade.
Achem o que quiserem do que escrevi. Opiniões de indigentes não acrescentam em nada na minha vida.

Abraços a todos!


Amiga, se tu não quer a phota ake, eu tiro! 2 anos atrás.

terça-feira, 25 de julho de 2006

...

Hou, eu acho que nem preciso mais escrever textos... tem cada letra de músicas que expressam em poema o que eu escrevo sem arte nenhuma...

Ramones - Ignorance Is Bliss
by Joey Ramone e Andy SchernoffI

Ignorance is bliss, ya know it's true
Ignorance is bliss, just look at you
Is it goin' anywhere?

I'm alive, I'm alive, I'm alive, yeah!
What's happening to our society?
Disintegration of humanity
Destruction of the environment
Cram that cop donation in your ass
Is it goin' anywhere?
????
Politicians to confuse you
What's good for them, now it ain't good for you
But there ain't nothing that you can do



"Ignorância é felicidade"

Ignorância é felicidade, você sabe que é verdade
Ignorância é felicidade, apenas olhe para você
Isso está indo a algum lugar?
Eu estou vivo, eu estou vivo, eu estou vivo, yeah!!
O que está acontecendo com nossa sociedade?
Desintegração da humanidade
Destruição do meio-ambiente,
Enfie aquela doação policial na sua bunda
Isso está indo a algum lugar?
Políticos para confundir você
O que é bom para eles, não é bom para você agora
Mas há nada que você possa fazer

domingo, 23 de julho de 2006

Fall Back

Observações do post se encontram ao final do mesmo.

Rancid - Fall Back Down

Don't worry about me, I'm gonna make it alright
Got my enemies crossed out in my sight
I take a bad situation gonna make it right
In the shadows of darkness I stand in the light
You see it's our style to keep it true
I've had a bad year, a lot to go through
I've been knocked out, beat down, black and blue
She's not the one coming back for you
She's not the one coming back for you
If I fall back down, you're gonna help me back up again
If I fall back down, you're gonna be my friend
It takes disaster to learn a lesson
You're gonna make it through the darkest night
Some people betray one and cause treason
We're gonna make everything alright
Well the worst of times, now, they don't phase me
Even if I look and act really crazy
I went way down, she betrayed me
Now my vision is no longer hazy
I'm very lucky to have my crew
They stood by me when she flew
I've been knocked out, beat down, black and blue
She's not the one coming back for you
She's not the one coming back for you
If I fall back down, you're gonna help me back up again



Não se preocupe comigo, eu vou fazer isso dar certo
Tenho meus inimigos apagados da minha vista
Eu faço uma má situação tornar-se certa
Nas sombras da escuridão, eu fico na luz
Veja, é nosso estilo manter isso verdadeiro
Eu tive um mau ano, um monte para passar
Eu fui derrubado, espancado, muito machucado
Ela não é a pessoa voltando pra você
Ela não é a pessoa voltando pra você
Se eu cair, você vai me ajudar a continuar de novo
Se eu cair, você será meu amigo
É desastroso aprender uma lição
Você vai conseguir através da noite mais escura
Algumas pessoas enganam e causam traição
Nós vamos fazer tudo dar certo
Bem, os piores momentos, agora, eles não me regulam
Até mesmo se eu parecer e agir como louco
Eu decaí, ela me traiu
Agora minha visão não está mais embaçada
Eu sou muito sortudo em ter minha tripulação
Eles ficaram do meu lado quando ela partiu
Eu fui derrubado, espancado, muito machucado
Ela não é a pessoa voltando pra você
Ela não é a pessoa voltando pra você



Ninguém me traiu, eu nem tenho alguém pra me trair, tô solta. Isso às vezes é ruim. A música é só porque gosto da música e fala, de certa forma, de amizade e meus amigos são importantes.
Em relação a foto. Não tô virando emo, apenas o meu cabelo tem vontade própria e ultimamente tem se acomodado na lateral da minha cabeça e estou séria na foto por que não gosto de mostrar os dentes e também porque não tava achando graça de nada no momento da foto.
E meu quarto tem mesmo cortinas de lua e não sou nem um pouco exotérica, e daí? Pelo menos meu quarto é feliz e o que importa é que me sinto muito bem dentro dele.

Amo vocês.
Hey, ho! o/

quinta-feira, 20 de julho de 2006

"Eu acredito que a realidade se foi
A desilusão é real
Eu acredito que a moralidade se foi
E não há nada a sentir
Se você olhar para as coisas sagradas
As coisas a que damos valor
Você só encontrará promessas sem sentido"

Desculpem, eu vou parar com isso, de raiva com o mundo!



Esse é o lugar de meditação. Em frente a este cômodo é onde sai da minha cabeça a maioria das minhas reflexões.

segunda-feira, 10 de julho de 2006

Não tenho escrito muito... Tô de férias, vou tentar dar um tempo na depressão. Vou começar a ler, e ver se consigo achar algum lugar que preste em Rio Grande pra ir nesse quase um mês. Quinta-feira, tiro o atraso com as amigas na FEARG, eu acho. Se eu não morrer até, ou elas brocharem (ou broxarem).

Beijos aos descomprometidos, e aos comprometidos também. E às minhas amadas que nunca visitam meu blog...

sexta-feira, 7 de julho de 2006

Engenheiros do Hawaii - Refrão De Bolero

Eu que falei: "nem pensar..."
Agora me arrependo, roendo as unhas
Frágeis testemunhas
De um crime sem perdão
Mas eu falei sem pensar
Coração na mão, como refrão de um bolero
Eu fui sincero
Como não se pode ser
Um erro assim tão vulgar
Nos persegue a noite inteira
E, quando acaba a bebedeira,
Ele consegue nos achar
Num bar
Com um vinho barato
Um cigarro no cinzeiro,
E uma cara embriagada no espelho do banheiro
Ana... Teus lábios são labirintos... Ana
Que atraem os meus instintos mais sacanas
O teu olhar sempre distante sempre me engana
Ana... Teus lábios são labirintos... Ana
Eu sigo a tua pista todo o dia da semana
Eu entro sempre na tua dança de cigana
Ana... Teus lábios são labirintos... Ana
Que atraem os meus instintos mais sacanas
E o teu olhar sempredistante sempre me engana
E eu sigo a tua pista todo o dia da semana
O que eu falei foi sem pensar...
Foi sem pensar.



Tudo boiando na minha mente...

terça-feira, 4 de julho de 2006

Mais uma declaração chata.

Eu quero. Acho que já é um começo. Ou não. Talvez seja apenas o fim de uma passagem parada e sem motivos para continuar. Talvez exista um motivo para continuar. Talvez, talvez, talvez. Quando que alguém terá algum momento de plena certeza? Isso não existe. Nunca se tem certeza de quem é e o que move o amor, o que realmente devemos seguir, que ideologias seguir, se é que existe alguma que se mereça seguir.
De onde que conseguimos puxar esperanças? Porquê acordamos certo dia e sentimos vontade de ser feliz e esquecemos todo o momento lúcido de depressão do dia anterior? Sobrenatural? Não sei, estou passando por uma fase que não sei se acredito em Deus. Mas que explicação teria? Somos meros e burros animais que raciocinam na medida do limitado. Somos simplismente animais comuns, apenas vivemos em uma soceidade que denominamos civilizada. Nada mais.
Pensamos da maneira e no nível determindado por seres que, mais que nós, ridiculamente, se consideram superiores. Quando elevamos nossos pensamentos, nós mesmos "caimos em si" e retornamos aos padrões, ou "instintos". Claro, um instinto, aham.
O complicado é pensar. Se eu não pensasse minha vida seria tão mais simples. Sinto inveja dos bovinos e demais classes. Eles apenas vivem. Não pensam. Quando fico mal, as pessoas dizem pra eu apenas viver e aproveitar a vida. Apenas viver? Aproveitar a vida? Apenas viver é comer, respirar, pocriar e tudo mais que qualquer ser VIVO faz. Aproveitar a vida. Aproveitar onde? Como? Alguém faz isso? Se matar de estudar na juventude, sair, rir, namorar, depois "crescer", trabalhar, chegar na terceira idade e rir à toa com os velhos amigos? O que é isso, meu Deus (força do hábito)... Isso é simplismentes o "apenas viver" do ser humano. São instintos desenvolvidos durante a "evolução", normal em muitas espécies. E menor escala e de maneiras diferentes.
Caramba, pra variar, eu comecei o texto com um objetivo e a visão acabou sendo distorcida pelo meu lado adolescente. Mas eu queria dizer que me sinto bem hoje, mas não sei o que me faz bem. Já que exponho a minha vida pra qualquer um mesmo (atitude lamentável, admito), passei a última semana discutindo dia a dia com minha mãe. Conversamos, nos acertamos e sei que logo quando surgir a primeira desavença, tudo vai desmoronar denovo. Não entendo porque me sinto bem, se deveria estar me preparando pra revidar os próximos absurdos que me deixam irritada.
Mas estou bem. Não entendo o porquê. Deve ser o tal do "instinto", ou não. Porém, ainda não sei o que estou fazendo aqui e que caminho devo seguir.
Perdão pelo excesso de vírgulas e erros nos "porquês".
Ah, separei o texto em parágrafos, mas eles não se definiram aqui. Então, sem saco pra fazer isso denovo, vou apenas dei uma "separada aleatória".

domingo, 2 de julho de 2006



2004 (mas a parte exteror de mim continua a mesma merda)

A foto é irônica (pra variar...) , mas a música abaixo não.

Amazed

Somtimes I think I´m gonna drown
Cause everyone around´s so hollow
And I´m alone
Somtimes I think I´m going down
But no one makes a sound
They follow
And I´m alone
Yeah if I make it I´d be amazed
Just to find tomorrow
Yeah one more day and I´d be amazed
Just to see it waiting
Yeah and if I make it I´m still alone
No more hope for better days
But if I could change
Then I´d really be amazed
And when you know you can´t relate
The one more shiny face
Your heart brakes
No one cares
And when you know you can´t go on
Cause everything is wrong
Your heart braekes
No one there
Yeah if I make it I´d be amazed
Just to find tomorrow
Yeah one more day and I´d be amazed
Just to see it waiting
Yeah and if I make it I´m still alone
No more hope for better days
But if I could change
Then I´d really be amazed

The Offspring

sábado, 1 de julho de 2006

Estou fechada pra balanço... preciso reavaliar meus conceitos de como lidar com diferentes pessoas. = (
Acho que existem algumas pessoas que devem conhecer quem realmente eu sou...