quinta-feira, 28 de agosto de 2008

Passagem breve.

No final das contas, todos somos alienados. A diferença é que alguns têm consciência disso e se alienam por vontade própria a outras culturas, que no discurso se dizem anti-capitalista, mas que preservam os mesmos tipos de regras: de mercado, de convivência, de aceitação, e acham que melhoram alguma coisa ou são diferentes e melhores, e acabam voltando ao estado mentalmente mórbido, crendo que não são alienados.
E há também os que seguem sua vidinha sem nenhuma preocupação além das contas a pagar.
Outros, possuem disturbios mentais que não permitem que esses tomem o caminho de serem alienados comuns ou alienados "revoltados". Esse é o meu caso.

Eu vivo numa cultura capitalista, onde é preciso vender algum bem, no caso, o trabalho, para que se consiga comer e sobreviver. Aliado a isso, ainda me submeto à convivência com outros seres dessa cultura, onde estes se julgam e se condenam pela roupa que você está usando. Na verdade, esta ultima descrição se enquadra em qualquer cultura tida até o momento no mundo: se você não se enquadra é mau visto. Só o que é revoltante é que algumas pessoas dizem integrantes de culturas que abominam quaisquer ferramentas do sistema, ou a maioria delas, inclusos aí os esteriótipos. Mas ainda assim, julgam os demais pelo que elas vestem ou coisas que fazem ou deixam de fazer. Você não quer que te julguem pela sua roupa rasgada, mas julga o outro por usar uma roupa inteira.
Quando se fala em "hipocrisia", soa como um clichê, mas o problema em si não é a hipocrisia. A hipocrisia² é o problema das pessoas. Pregar um discurso que não se segue é normal, mas insistir na hipocrisia de não se sentir hipócrita é o fim, é o suicídio coletivo. E isso está virando moda, justamente pelo fato do termo "hipocirsia" cair na boca do povo. É uma palavra bonita, é um adjetivo que todos temos. Mas é aquela coisa, o cara feio da danceteria só é mais feio, porque se acha bonito. Saca?
Hoje em dia, só de incluir no seu discurso a palavra "hipocrisia", ele passa a ser mau visto. Mas há termo mais perfeito e palavra mais bonita para nos qualificar?


Se eu tivesse tempo, escreveria mais.
o/

Ps.: ia anexar alguma imagem legal, mas lembrei que PERDERAM MEUS ARQUIVOS.

segunda-feira, 18 de agosto de 2008

De quem é a culpa?

Viver é agonizante.
É doloroso.
Ter que tomar decisões difíceis, ter sentimentos, ter doenças, ter problemas. Tudo isso pra depois morrer.
Se você toma uma decisão errada, quando você percebe que fez uma merda: blum. Seu mundo cai, você passa vários dias, meses, anos se arrependendo e se lamentando. E quando você acha que superou o escorregão, a cicatriz dói.
Quanto menos capital você tem, mais problemas você acumula, e mais decisões erradas você toma.
Você tem que crescer, parar de sonhar com o impossível. Mas não vivem dizendo que nada é impossível?
Você tem coisas que te fazem bem, tem pessoas que gostam de você, e mesmo assim você se sente irritada e inconformada. Você só consegue enxergar o que se tem pra corrigir.
Mas e a culpa é de quem? É sua? Você acha que se pudesse, você não seria feliz. Eu não sei o que é. A culpa não é sua, a culpa não é deles. A vida é curta e é só uma. A culpa é do medo de conseguir viver satisfatoriamente os 60, 70 anos que te restam.
Eu, nesse momento, tenho certeza de que vou morrer incompleta, inconformada e arrependida de ter e não ter feito muitas coisas. Mas eu me arrepender? A culpa não é minha se eu fiz ou deixei de fazer as coisas. A culpa é do medo, do medo da vida.

DE QUEM É A CULPA?
Me vejo parado aqui
E vejo você sumir
Talvez eu não esteja pronto pra crescer
Misturando tudo
Eu te peço desculpa
Não tenho nada pra provar
De quem é a culpa
Talvez você possa encontrar
Nos próximos dias sem mim
E você pensou em viver assim pra sempre
Engolindo as lágrimas
Será que você não sente
Que quando se perde a direção
É melhor recomeçar
Seria bom
Se hoje você não ligasse pra mim
Você escreve torto em linhas tão retas
Eu faço força mas nada acontece aqui
Ninguém é tão bom quanto você
Talvez eu não esteja pronto pra crescer

Tequila Baby.





Ahhhhhhhhhhhh, e meus cisos dóóóóóem!

sexta-feira, 1 de agosto de 2008

Vida virtual mutilada.

Coliformes fecais! Perdi todos meus arquivos, textos velhos, novos, tuuuudo! Menos o que estava aqui.

Que inferno, que %$@#&*¨$@#$¨¨!!
Meu time perdendo, meus arquivos perdidos, minha prisão de ventre ativa, minha hemorróidas proeminente, minha banda favorida lançando um CD medíocre, transtorno de ansiedade generalizado... o que mais falta pra minha vida se transformar num desastre completo?
Ahhhhh não! O caminhão! Desvia, desvia!
CABLUMMM...