sexta-feira, 18 de outubro de 2013

Seminário Integrado e Ensino Médio Politécnico

Quando iniciei neste ano a minha carreira docente, me foi designada, além de ministrar Geografia, a disciplina de Seminário Integrado em um primeiro ano do Ensino Médio noturno. Como estou no começo da caminhada como professora, é bastante difícil construir um texto crítico em relação ao sistema escolar o qual estou me adaptando. Entretanto, já no quase encerramento das atividades na "disciplina", acredito ter constituído algumas concepções, que nem sei se vão de acordo com a proposta do Ensino Médio Politécnico ou outras implicações que este possa oferecer.
Particularmente, minha experiência no Seminário Integrado foi assustadora. Assustadora porque entrei na escola, nunca havia lecionado a disciplina de Geografia (além dos estágios) e já me intimam mais um desafio novo e imprevisível. Sem saber muito bem qual o objetivo da proposta da "disciplina", fui tendo algumas ideias sobre como desenvolver o espírito crítico nos alunos, em relação ás questões levantadas em sala de aula - os problemas do bairro. Entretanto, em alguns momentos do ciclo, meu processo criativo era podado por exigências do currículo e do cronograma, e como sou uma pessoa que traumatiza fácil, essas limitações acabam incidindo além do momento da disciplina de SI.
Por outro lado, a pesar desses choques de ideias, fui constituindo uma caminhada diferente na minha turma: como eram poucos alunos, o projeto de pesquisa limitou-se a um só, tendo como problemática as inquietações sobre o bairro: serviços públicos, poluição, etc. Adotei ao longo do ano a metodologia de introduzir aos alunos as etapas do método de pesquisa através de textos, questionamentos, discussões e construção coletiva de cada item que tem por objetivo organizar e desenvolver uma pesquisa: tema, problema, objetivos, metodologia, aplicação e análise. As discussões produzidas em sala de aula foram mais interessantes e construtivas que os produtos escritos propriamente, mas a exigência de documentos avaliativos ainda tem um peso forte e quase que escuso, e a escrita acaba tendo de ser exigida.
Mesmo com os percalços, de falta de comprometimento, disponibilidade de tempo, a confusão de trabalhar com um número de alunos durante a semana e esse número ser reduzido nos sábados, em que muitos trabalham e justificam sua ausência (dificulta a continuidade do trabalho), as limitações impostas e minhas próprias limitações por nunca ter trabalhado com a apresentação do método de pesquisa, acredito que, mesmo que o produto final possa carecer de conteúdo, o objetivo de instigar a curiosidade e o diálogo foi cumprido.

Pensando não na proposta do Ensino Médio Politécnico propriamente, mas em proposições sobre como a inovação do Ensino Médio poderia se desenvolver, o sistema escolar carece de unidade. A proposta é de interdisciplinaridade, mas em absolutamente nenhum momento das atividades de SI na turma em que eu regia, tive a colaboração de outros professores de outras áreas do conhecimento. Independente se foi por falta de comunicação, falta de tempo ou falta de vontade, o fato é que FALTOU.
A integração e interdisciplinaridade resumidas em um disciplina já é conflituoso, ainda mais quando o trabalho desenvolvido nessa disciplina é suprido por apenas um professor, com suas limitações técnicas e conteudistas. 
Trabalhar com a pesquisa e a interdisciplinaridade deve abarcar todo o projeto escolar. Todos os professores e currículos devem estar comprometidos no auxílio e mediação do processo de busca de conhecimento dos alunos. A disciplina de SI não precisa necessariamente deixar de existir, mas deve ser encarada como um espaço de compilação dos conhecimentos, dividida e orientada por todos os professores que possam colaborar com o desenvolvimento da pesquisa.
Podemos usar o "tema gerador", as propostas dos alunos, dos professores, da comunidade... independente da fonte, temos que trabalhar para que todas as disciplinas forneçam suporte para o desenvolvimento criativo dos alunos. Várias pesquisas podem ser feitas, vários objetos podem ser apontados, vários momentos podem ser apresentados, desde que tenham o suporte e sejam abarcados por todo o corpo escolar. Usando um exemplo simplista, as disciplinas de Geografia, Sociologia, História,Biologia, Física, Português, etc. devem se estruturar de maneira que auxiliem em sua parte no projeto de pesquisa do Seminário Integrado, e o espaço da disciplina SI servindo como sintetizador desses conhecimentos no desenvolvimento de hipóteses e soluções para o problema instituido sob várias possibilidades.

Minha atividade no SI neste ano de 2013 foi enriquecedora, tanto para mim quanto, acredito, para meus alunos, mas certamente poderia ser desenvolvida por meios mais ricos e produzindo materiais mais completos. A atuação não foi decepcionante, o que frustrou a caminhada foi a falta de unidade escolar nos projetos. Sendo objetiva, sim, me senti prejudicada no sentido de encarar sozinha na minha turma (como outros professores encararam em suas regências) as dúvidas e muitos assuntos ("conteúdos") que poderiam ser muito mais produtivamente abordados e desenvolvidos se outros professores de áreas distintas tivessem espaço maior para colaborar com o desenvolvimento científico da turma.


Um comentário:

Anônimo disse...

A mudança de cultura não é fácil, também sou professora de geografia e vou trabalhar com SI,o que eu pude notar e que cada professor esta preocupado com sua disciplina e como um só professor tem os períodos do SI os outros não se sentem comprometidos de igual forma, ao contrário, ainda se sentem prejudicados por terem redução dos seus períodos.
Maria