segunda-feira, 15 de maio de 2006

É só pra falar

Não sei o que está acontecendo comigo. Nem sei se está acontecendo alguma coisa comigo. Espero que eu fique assim só por hoje porque tenho milhares de coisas pra fazer. Quero encontrar um motivo que realmente faça eu acreditar que vale a pena viver. Estou cansada de viver amores platônicos. Ainda se fosse um, mas a cada momento surge uma nova paixão idiota e eu acabo sempre voltando pro mesmo ponto. O mesmo ponto ali parado, o ponto um pouco mais atingível que não sai do alvo.
Mas acho que o meu sentimento hoje, não é de frustração amorosa, mas sim de indignação. Na verdade, eu não sei. Queria apenas que nesse momento, algumas pessoas me apagassem da memória por algumas horas, e outras percebessem que eu existo. Eu queria ser invisível, ou menos percebida. Odeio muito ser grande, porque, geralmente, pessoas que não merecem minha presença, sempre me vêem e pessoas que eu realmente me sentiria bem que me enxergassem, me consideram superficial.
Acho que nunca vou conseguir encontrar um sentido e um caminho pra vida. Viver é superficial. Caramba, o que eu estou fazendo aqui? Eu não sei pra quê eu sirvo. Eu vou ser obrigada a ter uma vida consumista, arrumar um cara legalzinho para eu poder procriar, “viver” mais um pouco, morrer e ser comida por vermes.
O que eu estou dizendo não é pra agradar e/ou desagradar pessoas e, certamente, as pessoas que eu gostaria de agradar não vão se agradar do que estou escrevendo. Eu não sou assim todo o dia. Aliás, fazia muito tempo que eu não me sentia assim, uns seis meses. Não tem um motivo específico que me faça sentir isso e acho que não é a TPM, por que não estou nessa fase. Às vezes, penso que é a minha infantilidade diante de tudo.
Eu preciso ser correspondida por todas as pessoas que eu tenha algum sentimento, mas a pessoa, quase que especificamente, para quem eu estou escrevendo isso nem sabe que eu existo, e ao mesmo tempo em que escrevo isso, passam pela minha mente muitas pessoas que amo de alguma forma.
Estou sempre me ferrando ao dizer o que tenho vontade. Assim como hoje escrevo isso pra essa pessoa que vi duas vezes na vida, amanhã talvez eu escreva algo do tipo, ou nada parecido, para alguém mais presente na minha vida.
Bem, eu espero que pelo menos eu melhore, escrevendo e publicando isso. E dane-se se eu me ferrar na vida. Eu ainda não conheço nenhum bom motivo que me faça acreditar que tem algo a mais aqui.

Qualquer pessoa que abrisse minha mente, certamente, iria se espantar.

Se alguém leu isso, acredite: eu te amo!




14 de maio de 2006.
22hs 44min.
Débora freitas

Um comentário:

Joel disse...

"Para conhecer um homem: veja como ele age, descubra o que ele busca, examine o que lhe faz feliz"
Confúcio

Com certeza tem um por quê de tudo amiga, pode ter certeza, você é uma pessoa que um dia foi uma qualquer na minha vida, hoje se tornou uma grande amiga que mesmo distante pode conta comigo, esse post eh velho espero q voce ja tenha consiguido encontrar seu sentido mas pode ter certeza que essa semana alguem em algum lugar no mundo senti o mesmo que você e a frase certa pra isso é a seguinte:

"O tesouro nunca estará no fim do caminho, o verdadeiro tesouro está em percorrer o caminhu"

Bju